[ RESENHA ] Café Pro Santo - Leonardo Triandopolis Vieira



Série: Não
Classificação: YA/Adulto
Gênero: Fantasia / Folclore Brasileiro
Editora: LeioEuBooks
Páginas: 146
Nota: 4.0/5.0

" Uma história simples, mágica e profunda. "




Sinopse:

" Essa é uma história sobre magia. Anjos que roubam nomes. Índios e santos e café. Essa é uma história sobre encontros. Olhar para além do véu. Um gole forte. Amargo. Aprender através dos olhos. De um outro eu. O livro é narrado em primeira pessoa pelo protagonista, que, ainda jovem, tem seu nome roubado por um anjo e acaba se envolvendo em uma jornada de revelações mágicas com elementos dos folclores brasileiro e mundial. Matita Perê, índios, curupiras, clima e geografia típicos do centro-oeste são alguns dos elementos que caracterizam e dão identidade às páginas de Café pro Santo. "

 O livro foi publicado esse ano, de forma independente. Leonardo é um blogueiro / vlogueiro literário e fez um hangout no mês passado falando sobre o livro. É literatura fantástica, então resolvi dar uma olhada. O livro está disponível em pdf no site LeioEu. Temos aqui uma história simples, porem muito profunda.

Toda criança sofre com a separação dos pais, em alguns casos os efeitos são mais graves do que em outros. Tudo que essa criança deseja é que tudo permaneça do jeito que estava. Nosso protagonista, pensa dessa forma, ele não quer que seus pais se separem e com toda a sua Inocência faz um pedido num dia chuvoso. Seu pedido é atendido, mas teve um custo muito grande. Alguns anos depois um anjo o encontra, além de roubar seu nome, leva a vida de sua família de brinde. O pequeno, agora com 13 anos, se vê desamparado, mas uma ajuda inesperada aparece. 

" - O anjo levou seu nome - ele disse - O rapaz deve ter feito magia indomada com seu nome verdadeiro - acendeu um cachimbo, no intercurso de sua fala, e assoprou um anel de fumaça logo em seguida -, usar o nome verdadeiro nuca é bom. Não, não, não! Nunca é bom. Ele levou o seu nome, e seus familiares foram os "juros e correção". "

Matinta Perê aparece no local, e explica mais ou menos o que aconteceu para o pobre rapaz e o direciona para o caminho que deve seguir em sua jornada. Mas isso, ele deve fazer por conta própria.

" Eu sempre achei forçadas por demais essas histórias em que os protagonistas mediócres e mundanos aceitavam se nenhum esforço o encontro repentino com um mundo de magia e sobrenatural. E lá estava eu, passando pelo mesmo processo. Eu podia gritar, enlouquecer e pedir asilo em um hospício. Mas não. Como os personagens das histórias que eu lia; lá estava eu aceitando a magia, mesmo que repentina, em minha vida. "

Café pro santo é um livro original. Nunca li nada parecido. Leonardo utiliza de elementos do nosso folclore de uma forma sutil e bela, e ambienta seu livro com maestria.

A narrativa em primeira pessoa funcionou perfeitamente, o autor conseguiu encontrar a voz do personagem, e não poderia funcionar de outra maneira. Seu texto é escrito de uma forma meio poética, singela, mas bela. 
A leitura é bem rápida, as páginas voam e você não consegue parar de ler. Os capítulos curtos e a narrativa ligeira contribuem para isso, além de se tratar de um livro pequeno. 

A história é simples, não possuí aquela trama que deixa todos de queixo caído, mas ela tem seu proposito e esse é alcançando. Utilizando-se do folclore brasileiro, mas um pouco diferente do convencional temos os personagens dessa trama. Saci, Mãe da Mata, Curupira, Iara são alguns deles. Acho isso bem interessante, nosso país tem uma gama recheada de histórias e lendas esperando para serem utilizadas.

Os personagens são poucos, e o principal merece ser enfatizado. O livro começa com ele aos 8 anos e termina com ele já bem mais velho, e esse intervalo de tempo, mostra o crescimento daquele menino que perdeu o nome. No inicio ele se encontra perdido, sem entender o que está acontecendo, ou como seguir em frente, mas com a ajuda de seus amigos mágicos, de forma sutil ele consegue dar um passo de cada vez.

" - Ali, no meio das mandiocas?!
  - É uma vila de mandrágoras.
  - Mandraoquê? - me embolei.
  - Mandrágoras.
  - Elas existem?
  - Dependendo do que você entenda por existe, tudo pode existir. Ou nada. 
  Um anjo matou minha família e roubou meu nome, um mago atípico entrou em meu mundo, começou a me explicar todo esse novo mundo e de repetente desapareceu. E eu ainda estava me surpreendendo com os eventos que se sucediam "

Além do folclore presente na obra, Leonardo utiliza elementos esotéricos e referências a cultura pop. No final do livro existe um glossário para sanar qualquer dúvida a respeito dessas referencias e menções.

Sobre a edição, não tenho muito o que falar, a capa é muito bonita e a diagramação e edição do miolo está impecável, não identifiquei erros de revisão, isso na versão digital, o que sugere que a física esteja ainda mais caprichada. 

Recomendo esse livro para os amantes da literatura fantástica, que estão dispostos a conhecer obras diferentes do usual, algo mais simples, porem fantástico. 

Bom gente é isso, espero que gostem da resenha.
See you later folks!