[ RESENHA ] Legado de Sangue - Raquel Pagno


Classificação: Young Adult
Gênero: Romance, Sobrenatural
Editora: Publicado de forma independente
Páginas: 373
Nota: 2/5

" Uma protagonista forte que suporta difíceis momentos em sua vida, onde o amor e o ódio, de fato andam de mãos dadas "

Sinopse:


Carmem sempre ouvira as tristes histórias de Francesca. Adorava cada frase saída da boca enrugada da avó, mas sentia que a verdade estava escondida nas linhas de seu rosto, presa em um coração saturado de sofrimentos. Foi em uma noite de lua cheia que ela finalmente lhe contara a verdade: seu antepassado era um vampiro, Carmem era a herdeira do Rubi de Sangue e do poderoso sangue das bruxas, o único alimento capaz de saciá-lo completamente, e que ao mesmo tempo era para ele mais letal do que qualquer veneno; e era a única capaz de gerar um filho para salvá-lo da extinção. Apaixonada, Carmem segue o seu caminho rumo ao destino que a aguarda. Miguel deseja o seu sangue, e ela, a imortalidade dele. "


Bom tive a oportunidade de ler um outro livro da Raquel, chamado Herdeiro da Névoa(resenha), e gostei muito do seu estilo de escrita e a sua narrativa. Surgiu a oportunidade de participar do Book Tour deste livro e eu não pensei duas vezes. Adianto que eu gostei do livro mas algumas coisas me incomodaram.

Primeiramente vamos pontuar a mitologia criada por Raquel, considerando que o livro é dividido em duas linhas de tempo, uma por volta de 1934 e outra em 1960.

Existem duas criaturas sobrenaturais: Vampiros e Bruxas. As duas raças coexistiam em uma espécie de "harmonia". Os Vampiros os seres imortais precisam das bruxas para a proliferação da sua espécie, em vista que somente as Bruxas podem ser transformadas em vampiros após a ingestão de seu sangue. Por outro lado as Bruxas são a única fraqueza dos Vampiros, seu sangue é o fruto proibido, o mais saboroso e ao mesmo tempo letal. Ambas as raças possuem uma atração mutua muito forte. Os Vampiros mal conseguem resistir ao sangue das bruxas e as bruxas a possibilidade da imortalidade.

Agora vamos a história rs. 
Inicialmente conhecemos Carmem, uma jovem que vive com sua irmã mais nova Ana, sua mãe Teresa e sua avó Francesca. Sua mãe trabalha muito para poder sustentar a família. Francesca vive perdida em pensamentos, sofrera bastante no período da guerra e esse passado é difícil de esquecer. Teresa reprova a curiosidade das meninas a respeito das histórias da velha senhora, mas em um determinado dia em quanto Teresa trabalhava Francesca decide contar a história de sua vida.

Francesca nascera na Itália, por volta de 1920. Sua mãe estava adoentada e incapaz de cuidar da família e da casa, seu pai fora obrigado a lutar na guerra que açoitava o mundo naquela época, após seu retorno nunca mais fora o mesmo, e como medida casou Francesca o mais rápido possível para que a mesma não ficasse desamparada após o falecimento dos pais. 

Francesca casou-se com um rapaz novo, e teve dois filhos: Teresa e Marco. O destino gosta de pregar peças e seu marido fora convocado para lutar na guerra. Ele com medo de ir e deixar sua família resolvera ignorar a convocação e buscou um meio de fugir da Itália. Aparentemente seus problemas iriam ser resolvidos pois uma grande embarcação estava aceitando pessoas e as levando ao Brasil. Quando chegou sua a vez de Teresa e sua família entrarem no grande navio, seu marido fora entregue aos soldados e ela com seus filhos entraram para o navio.


A viagem não fora nada agradável, as condições em que as pessoas ficavam eram péssimas. Em meio aos vivos estavam os corpos dos que já se foram. Ali as pessoas passavam fome, frio e estavam sujeitas a doenças. Enfim o suposto inferno acabaria pois eles haviam chegado ao Brasil. Ao chegar ao Brasil, as pessoas passavam por uma espécie de seleção, seus corpos eram examinados, músculos testados. Famílias eram separadas com apenas uma promessa de reencontro. Aquelas pessoas eram levadas as lavrouras para trabalharem em troca de comida e um lugar para dormir. As pessoas eram escolhidas e Francesca ficava ali esperando e a única coisa que ela se lembra em seguida é de acordar em um quarto luxuoso. 

Francesca fora resgatada por Miguel, um jovem homem rico, bonito e misterioso. Miguel prometera a Teresa que tudo aquilo seria dela, se ela lhe desse um filho. Pensando no futuro de seus filhos e olhando suas opções não tinha muito o que fazer e aceitou a proposta. Mas nem tudo parecia era o que parecia. No momento em que Francesca engravidou seus filhos lhe foram tirados, e ela passara a ser uma prisioneira. Não tinha como fugir, era vigiada por servos grandes e fortes. O único interesse de Miguel era o filho que crescia em seu ventre. Em um determinado dia Francesca conseguiu espiar uma horrível cena e com ela conseguiu notar o que de fato Miguel era, um vampiro.

Cerca de 2/3 do livro é a história de vida de Francesca e o restante a de Carmem. A narrativa em primeira pessoa foi bem feita, descritiva sem ser enfadonha. Raquel conseguiu definir bem o ponto de vista das duas personagens e transmitir o que acontecia e o que elas sentiam. Os personagens no geral foram bem trabalhados até certo ponto. Miguel é incrivelmente sedutor e manipulador, consegue que todos acatem suas ordens e o idolatrem, eu não o julgo completamente errado, além do fato dele ser um vampiro, um monstro ele é o ultimo da sua espécie e ele deseja que isso acabe. Francesca é uma mulher forte, mas durante uma boa parte da história temos apenas os seus devaneios apesar de sua maior preocupação ser os filhos. Ela sofre muito no decorrer da sua história. Carmen me irritou um pouquinho também no decorrer da história.

O que me levou a tirar 3 estrelas da nota do livro foi os devaneios da Francesca e a conclusão. Após a história de francesca temos a vida de Carmen e algumas coisas acontecem. Eu sinceramente achei essa parte da história desnecessária, Carmen não me convenceu nas suas atitudes e era praticamente a mesma coisa acontecendo de novo. O final em si foi tipo.... Ok. Tanto que, geralmente após efetuar uma leitura eu demoro um pouco para conseguir começar a ler outro livro, e eu não senti isso. Acho que a melhor palavra pra descrever isso seria indiferença.

Bom gente, eu acho que se você gosta do gênero é uma leitura válida. Essa é só a minha opinião.
Espero que gostem.
See you later folks!