Al-Aisha e os esquecidos

Título: Al-Aisha e os esquecidos
Autor: Marcel Colombo
Editora: Novo Século ( Novos Talentos)
Páginas: 432
Série: #1
Skoob
Sinopse: Como num sopro de dragão, um fantasma surge em seu quarto, surgindo no lugar que você jurava ser o local perfeito e seguro. Mas essa aparição é apenas o começo de longos acontecimentos estranhos que estão por vir. Será que você sobreviveria à queda de uma estranha bola de fogo, que poderia destruir, quase que por completo, a sua cidade? Estaria pronto para descobrir o que existe dentro da destruição e da fumaça que se forma, indo muito além da imaginação de seu mundo? O seu mundo está para se colidir com um outro, e isso poderá mudar tudo… Até mesmo o seu destino. Tudo poderá acontecer e, de uma forma ou de outra, sua vida irá mudar para sempre, não importa onde e nem como. Siga as ordens de um coelho ranzinza, ajude o seu misterioso amigo, perdoe quem você jamais perdoaria, ame de verdade e deixe que eu seja a sua guia nessa jornada. Eu me chamo Al-Aisha e irei te guiar. Mas, antes, preciso saber: Você está pronto para ser esquecido?

O que eu achei:

Já digo de uma vez que o livro me encantou desde a primeira página. Vocês se perguntam o por que, e eu respondo: a narrativa.

Este livro vai contar a história de Lucas, e como ele está envolvido na colisão de dois mundos. Conhecemos tudo e todos pelo ponto de vista de Al-Aisha, a narradora da história. Aquele tipo de narração onde o próprio narrador é um personagem e ao mesmo tempo não é. Ele brinca com o leitor, se intromete e da sua opinião, eu particularmente acho isso fantástico.

" Ah, me desculpe! Não me apresentei ainda, me chamo Al-Aisha. Não sou uma Deusa. Não sou uma receptora desta dádiva, se é que posso dizer que ser Deus seja uma dádiva. Também não sou humana, igual a todos aqueles que povoam seu mundo.[...] Não. Sou unicamente existente. Um ser. Uma entidade. Um ser vivo. Tampouco sou imortal como os Deuses. Sei que meu tempo de partir uma hora chegará, mas não será, como dizem em seu mundo: nem hoje, nem amanhã e nem, quem sabe, ontem. Minha missão é apenas observar e aconselhar. " 

O livro é dividido em três partes, cada uma delas referente a uma faixa etária de Lucas. 5, 12 e 17 anos.
De pouco em pouco pegamos pistas do que está acontecendo ou que vai acontecer. E tudo começou na véspera do aniversário de 5 anos de Lucas.  Ele, como qualquer outra criança dessa idade é incrivelmente curioso, e de tanto ouvir seus familiares dizendo que ao completar 5 anos iria se tornar um homenzinho, estava decidido ficar acordado para presenciar a sua pequena transformação. Infelizmente sua épica batalha contra o sono terminou com sua derrota. Mas as noites de Lucas não seriam as mesmas, pois ele recebe a visita de um fantasma em seu banheiro, sem contar o fato de ter imaginado o seu coelho de pelúcia falando.

No dia seguinte, Lucas vai ao encontro de seu amigo Pedrinho, ou para os íntimos Drinho. E a brincadeira começa, os dois se juntam a Henrique e a pipa se transforma num dragão e eles são os cavaleiros a enfrenta-la, infelizmente a pipa-dragão cai, e fica presa na árvore. Pedrinho como um grande amigo, decide subir e solta-la, normalmente não teríamos problema nenhum, a não ser é claro o tamanho de Drinho. O inevitável acontece e ele cai lá de cima.

Já no hospital, na mesa de cirurgia de uma forma um tanto quanto milagrosa os ferimentos de Drinho são curados. Vale ressaltar um pequeno acontecimento, sorrateiramente um estranho homem aparece dentro do quarto do garoto, o que ele queria não se sabe, mas é surpreendido pelos funcionários e sai em retirada do hospital, nesse percurso ele cruza com Lucas e após esse pequeno momento a vida de nosso herói não é mais a mesma.

Anos se passaram e agora as crianças estão com 12 anos, a vida segue da mesma forma como antes, só que Lucas acorda todas as noites gritando com pesadelos, e jura ver seu coelho, Sr fofinho andando e falando, até que um dia ele resolve matar sua curiosidade e joga farinha no chão, e ao amanhecer percebe as pegadas de um coelho. Claro que sua mãe não acha isso nada legal. 

O tempo passa, e o dia do caos se aproxima, aparentemente um meteoro atinge a cidade causando bastante destruição. Lucas se vê sozinho na rua a procura de Drinho, lá ele encontra Natália e descobre que o Sr Fofinho realmente pode falar e andar. Ao procurar por Drinho, eles acabam encontrando uma espécie de portal lá dentro ocorre uma disputa entre dos magos, e a destruição da cidade foi apenas os efeitos colaterais dessa luta. Podemos dizer que depois de tudo aquilo a vida de Lucas não é mais a mesma.

Sou sincero quando digo que o inicio da história é um pouco arrastado, mas no final da primeira parte acontece várias reviravoltas, e em certos momentos eu me vi completamente inserido na história querendo saber o que vem a seguir. A narrativa é tão bem elaborada que flui tão rapidamente apesar de não ser tão simples. A narração em primeira pessoa "que parece em terceira" é um dos pontos fortes do livro. Alem dos mistérios envolvidos e a seriedade necessária para o decorrer do enredo, temos muitas jogadas de humor, o que me proporcionou varias e varias risadas na leitura. 
Os personagens são cativantes e divertidos, e como não gostar do Sr. Fofinho? Um coelho de pelúcia, ranzinza e mal educado, que não gosta de cenouras mas é apaixonado por pizza e vive fumando seu cachimbo. 

" - Mas por quê? O que você disse para ele? Quem era ele? Por que você o mandou ir embora?
   - Tantas perguntas e uma única resposta, meu jovem inexperiente ser juvenil... Não é da sua conta. Gostou da resposta? "

" - Pelos cérebros dos gigantes! - exclamou Sr. Fofinho, usando uma expressão do nosso mundo ( se fosse explicar, seria mais ou menos assim: como poderia um ser tão alto, tão forte e capaz de derrubar muros e castelos ser tão burro!) "

De longe, o estranho coelho foi o personagem que eu mais gostei, boas partes das cenas de comédia são por conta dele. 
Uma coisa nada comum ocorreu durante essa leitura, eu fiz diversas marcações.



Dados:

Espero que gostem!
See you later folks! =